14 de fevereiro de 2012

B218291465_large


Lá fora o vento uiva e a chuva cai. Neste momento só penso em ti. Lembro-me agora de como tudo começou, de como te odiava no inicio, de como achava a maneira como rodopiavas a bola parva. Nunca pensei que um dia sentisse falta do teu abraço, do teu sorriso. Queria-te mais que tudo. Era no verão que nos divertíamos na piscina mas é no inverno que tu me abraças e proteges do frio. Lembro-me agora com o barulho do vento como somos fortes um com o outro, como valeu a pena termos passados por tempestades e nunca termos sido derrubados. A cada gota que ouço bater no chão lembro-me de como não te quero perder, lembro-me de como completas-te aquela parte que me faltava. Foste a cura para a minha tristeza, foste tu que ocupas-te o lugar que até aquela data ninguém tinha conseguido ocupar, ninguém me tinha feito sorrir sem vontade ou até mesmo dar-te um estalo e depois arrependida beijar-te a face como forma do meu perdão. É bom hoje saber reconhecer que a cada gota que cai é uma lembrança boa porque nunca me desiludis-te e a cada uivo que ouço sentir-me orgulhosa por nunca termos ido abaixo com nenhuma critica ou nenhum rancor. Obrigado por teres sido tu a sarar por completo aquela ferida que eu tinha no coração e não teres deixado ter sido outra pessoa qualquer que me fizesse mal.










inventado 
2 de Janeiro de 2011

5 comentários:

Deixa a tua opinião e ideias, prometo tentar compreender!